2

LEITURAS SETEMBRO 2016

Olá leitores! .

Eis minhas resenhas do mês de setembro.

 

LIVRO 44

 

Desde que comecei a ler crônicas de Antonio Prata não parei mais, sempre acompanho os novos lançamentos e devoro rápido os livros.

Um livro de crônicas delicioso. Só não gostei muito da capa, porém entendi o significado criativo.

Gif livro

“O mais importante e bonito do mundo”, contudo, como escreveu citando Guimarães Rosa, “é que as pessoas ainda não foram terminadas. […] Afinam ou desafinam.”

“Ah, as novas gerações não conhecem o Éden perdido? “Onde está fulano?”, “Saiu”, “Pra onde?” “Não sei” – e lá ia você com as mãos no bolso, assobiando, livre…”

 

 

LIVRO 45

 

Pura poesia, livro que toca no fundo da alma.

Ler Rubem Alves é sempre uma experiência incrível, me acrescenta, me faz refletir, me acalma. Sempre estou lendo ou relendo algo desse escritor

Gif livro

“Não há fim para as coisas que podem ser conhecidas e sabidas. O mundo dos saberes é um mundo de somas sem fim”

“Diz o Tao Te Ching: ‘Na busca do conhecimento a cada dia se soma uma coisa. Na busca da sabedoria a cada dia se diminui uma coisa’ “

“Beleza não é coisa física. Não pode ser fotografada. É música que sai do corpo”

“Perdoar é esquecer. Deus é esquecimento. Quando ele perdoa os rastos desaparecem. Perdoar é apagar da memória o rasto/rosto deformado de ontem”

“As asas da alma se chamam coragem. Coragem não é ausência do medo. É lançar-se, a despeito do medo.”

 

LIVRO 46

Uau! Como demorei para finalizar este livro. Levei três meses para concluir, me arrastei na leitura, não me prendeu.

Sinceramente? Ainda não digeri essa continuação.

 

LIVRO 47

 

Sempre quis ler esse livro, o título bem provocante despertou uma curiosidade.

O livro é muito bem escrito, aborda temas como amor, solidão, medo, pudor.

Um título polêmico e repleto de prosa poética.Gif livro

“A idade não é a que a gente tem, mas a que a gente sente.”

LIVRO 48

 

Mais um livro incrível de crônicas, adorei, adorei, adorei! Não conhecia o estilo de crônicas de Zuenir, e me cativou completamente. Excelentes crônicas e ótimas reflexões.

Gif livro

“Com as crianças a gente aprende mais do que ensina”

“A cultura artistica e literária é indispensável para fazer avanças a Humanidade”

“Como o destino nem sempre avisa quando vai aprontar, urge curtir enquanto é tempo – carpem diem.”

“Quanto menor for a redundância de uma mensagem, maior será sua taxa de informação”

 

E VAMOS continuar LENDO!

f6691-coruja_lendo

 

 

6

MAIS MÚSICAS PARA ESCUTAR LENDO

Um dos Posts mais acessados do Blog : “Músicas Para Escutar Lendo”.

Eis mais algumas músicas deliciosas para te acompanhar no mundo dos livros e leitura.

Para quem possui Spotify, elaborei uma Playlist especialmente para leitura. Estou sempre atualizando, é só seguir, pegar um bom livro e deixar se levar…

Segue o LINK:

MÚSICAS PARA LEITURA por Carol Stein

 

1. Not About Angels – Birdy

Birdy é suave, é relaxxxx… Essa foi uma das músicas escolhidas para trilha sonora do filme “A Culpa é das Estrelas”

2. Young And Beautiful – Lana Del Rey

Lana Del Rey é incrível! Suas músicas são relaxantes e inspiradoras. E que voz!

 

3. Shame – Ciaran Lavery

Uma voz rouca, suave…para ler e talvez até adormecer ZzzzZZZZZ

 

4. The Civil Wars – Poison & Wine

Ler, suspirar….delícia de música.

 

5. Enya – Playlist

Já recomendei Enya, um estilo musical que adoro para ler: música celta. Agora uma playlist de mais de uma hora para você terminar um livro inteiro…AHuMMMMM

 

6. Streets Of Philadelphia – Bruce Springsteen

Uma bem conhecida, clássica.

7. Like I´m Gonna Lose You ft. John Legend – Meghan Trainor

Meghan Trainor sempre surpreende com lindas canções.

 

8. Send My Love (To Your New Lover) – Adele

Minha música preferida do momento, é relaxante, porém confesso que largo o livro e vou cantar.

 

9. Boston – Augustana

Uma voz suave e calma combina com livros e leitura.

 

10. Afire Love – Ed Sheeran

Não poderia faltar Ed Sheeran, um dos meus preferidos para relaxar e ler.

 

11. XO – John Mayer

Mais um excelente cantor para escutar lendo : John Mayer

12. Gravity – Sara Bareilles

Sou fã de Sara Bareilles 🙂

 

Espero que tenham gostado da seleção.

Dois universos que quando associados me levam para outros horizontes: música + leitura.

  Carol 🙂
0

O MENINO DE PIJAMA

Belíssima, poética e encantadora resenha do livro “O Menino de Pijama” elaborada por Félix Araújo Filho, advogado consagrado, jurista respeitado, acima de tudo, amante da literatura e dos livros.

“O Menino De Pijama”: A liberdade de sonhar juntos
                                Félix Araujo Filho*
 
Esta é uma história de sobreposição de sonho e realidade, escrita a quatro mãos. Filho e pai – Gabriel Thel Steinmuller Farias e Thélio Queiroz de Farias – fundem-se num mesmo hemisfério ficcional e se fazem um para vivenciar, imaginar e narrar o que, numa manhã de verão, eclode, surpreende, emociona e os leva àquelas dimensões que só interessam a quem não recusa a fascinante experiência da criação. “O menino de Pijama” nasce, pois, da liberdade de sonhar juntos.
 
No livro, um menino acorda e, de pijama, resolver aventurar-se na praia. A vestimenta, conquanto inadequada ao ambiente real, adéqua-se a outras coordenadas do encontrar-se, do descobrir-se. O pijama, portanto, protagoniza um elemento referencial de antagonismo à convencionalidade. É base para o desenvolvimento do enredo a sugerir, de algum modo, rompimento com o formalismo nímio que, até entre siris e sargaços, não se contém e se pronuncia para prescrever normas inservíveis.
   
O pijama, como o próprio personagem/autor explica, “para não interromper os sonhos”, presta-se não só para dormir, mas para não acordar. É a indumentária de transgredir o comum para prosseguir sonhando e navegar nos seus sonhos. Este, aliás, o primordial compromisso com o fazer literário ficcional, que em Gabriel Thel Steinmuller Farias parece despertar bem cedo, alvorejando à beira beira-mar, entre ondas matinais e espumas brancas em que sorriem cristais de sol. Nesse mister, o jovem escritor mostra-se indiferente aos que não sabem sobre os outros que sonham. Decidido, projeta-se no menino de pijama e flutua, “de roupa e tudo”, na sua fração de mar para então mergulhar nas artes da palavra. Sem embaraços  ou hesitações, livre, fiel ao seu tempo e experimentações, dialoga com catedrais de areia, azuis atlânticos, ardilosos vendedores de picolé, madames com suas insolências dominicais e outras acidentalidades comuns à costa tropical de um valioso universo criativo.   
 
A Thélio Queiroz de Farias coube, por assim dizer, o encalço estenográfico da sucessão das cenas protagonizadas por Gabriel, de modo a possibilitar fossem convertidas em páginas de uma manhã. É certo que capturou tudo com a caneta paternal. Entretanto, fê-lo ao rigor de uma visada serena e equidistante entre o narrador/observador e o objeto da narrativa, acentuando impressões segundo seletivas e mediadoras intervenções no corpo textual. A Gabriel deve-se a centralidade da obra que ele compõe percorrendo, alternadamente, as faces do triedro realidade-representação-criação, com a espontaneidade lúdica de suas aspirações e mediante a sobreimpressão personagem/autor.
 
Assim, compreende-se a tessitura compartilhada dos componentes temático e formais da narrativa em foco. E aqui, há que se dar uma nota muito especial: a que confere méritos à tutela consciente e construtiva do estímulo literário àqueles cujas asas, embora ainda no ninho, já ruflam prognósticos para os altos voos.
 
“O menino de Pijama” não é um livro sobre folguedos feriais. É – isto sim! – uma primorosa, alegre e sutil reflexão sobre o quanto nos pode enternecer a beleza em volta. Fala-se, aqui, da beleza que, de súbito, contagia e, indelével, invade a alma com a luz de certa aurora arrebatadora, mas que só se absorve e compreende quando a perspectiva dos sentidos é o horizonte da liberdade de ser. É como molhar-se de pijama; como ir para além dos padrões e fazer dessa liberdade a vestimenta de despertar irreverentemente feliz. É um livro para infâncias totalizadas em almas que as têm ou que ainda poderão tê-las.
___________________
* Advogado  e  professor

VENDAS: Envie um e-mail para livros_e_leitura@hotmail.com OU deixe um comentário com seu e-mail que entraremos em contato OU  vendas na Livraria Nobel da Cidade de Campina Grande.

Em breve também teremos vendas através da internet.

2

LEITURAS JULHO 2016

 

Olá leitores,

Estou de volta com minhas resenhas (breves), particularmente não gosto de longas resenhas, muitas vezes por serem tão detalhadas acabam por adentrar muito no enredo, se leio muito sobre o livro crio expectativas elevadas.

Gosto de registrar minhas impressões e deixar a cargo do leitor formar sua própria opinião sobre o livro, já que gosto literário não se discute. 🙂

 

LIVRO 34

Adoro livros de crônicas, não conhecia o estilo literário de Tati Bernardi.

Na minha opinião foi uma leitura morna, não me empolguei muito durante a leitura. Acho que criei muita expectativa, pois ao ler a sinopse achei que seria muito engraçado.

O estilo que ela narra é bem sem papas na língua, o livro aborda sua dependências por remédios, seu pânico de avião, crises de ansiedade, manias, casos amorosos, etc.

Para quem possui algumas das características da escritora, com  certeza irá se identificar e adorar a narrativa.

 

LIVRO 35

 

Um livro muito elogiado que recebi da Tag Livros. O interessante foi a experiência de ler um título e autor que eu não conhecia, e que provavelmente poderia passar despercebido nas prateleiras.

Desonra foi considerado um dos cem melhores livros escritos em língua inglesa de todos os tempos pelo respeitado jornal The Guardian, de Londres.

Seu autor, o sul-africano J.M Coetzee recebeu todos os prêmios literários possíveis (primeiro autor a vencer duas vezes o Booker Prize), dentre eles o glorioso Prêmio Nobel de Literatura de 2003.

O livro conta a história do professor de literatura David Lurie, da Universidade do Cabo, que passa a ser acusado pela própria instituição de ter um caso forçado com uma aluna. Por ter a consciência limpa, resolve não se defender, aceitando a sua demissão. Desempregado, viaja para fazenda da filha Lucy, para ajudá-la, com esperança de encontrar tempo para escrever sobre Lord Byron, de quem é especialista. Na trama do livro, Coetzee apresenta uma realidade pós-apartheid da África do Sul, num livro envolvente e extremamente bem escrito.

Consegui extrair várias reflexões e trechos do livro.

Como disse o jornal Sunday Telegraph:

“Desonra explora ao máximo o que significa ser humano, e está na linha de frente da literatura mundial”.

Gif livro

“Não existe nenhuma vida elevada . A única vida que existe é esta aqui.”

“O crânio, depois o temperamento: as duas partes mais duras do corpo.”

“Outro tipo de vida? Eu não sabia que a vida vem em tipos.”

“A vingança é como um fogo. Quanto mais devora, mais quer devorar.”

 

LIVRO 36

 

“Tromba Tromba” é uma lúdica história infantil.

O livro fala sobre elefantes pretos e elefantes brancos, os mesmos amavam todos os animais,mas se odiavam. Os elefantes pacifistas de todos os lados (brancos e pretos) vão viver no fundo da selva e os outros se matam mutuamente. Após muito tempo, aparecem os elefantes cinzas. A história é simples e singela, como todos os bons livros, e nos faz pensar nos humanos e seus preconceitos de cor, raça, religião etc. É um livro que nos deixa uma lição: “viva a diferença!”

Li e Recomendo. Uma linda obra que transmite uma grande lição.

 

LIVRO 37

 

O livro foi um presente de um amigo que sabe que adoro o tema.

Já li diversos livros que abordam o Holocausto, os campos de concentração, os sofrimentos que os judeus passaram durante essa época traumática e cruel da humanidade..

Porém, nunca tinha lido um livro abordando o depoimento de uma Italiana.

Liliana é uma jovem garota judia que nunca poderia ter imaginado que iria passar por momentos tão tristes e dramáticos na sua vida. Ela narra seu dia a dia no campo de concentração, os momentos em que pensou em desistir, os momentos em que se apegou a vontade de viver – sobreviver – . Também transmite lições de amor à vida e superação. Liliana foi uma das sobreviventes da “marcha da morte”. Uma incrível história.

Uma excelente leitura.

Uma dica para quem se interessar pelo livro: logo após finalizar pesquisei na internet entrevistas com a escritora, assisti e adorei.

 

E VAMOS continuar LENDO!

 

f6691-coruja_lendo

 

 
 

 

 

 

0

Dica de Livro Infantil

 TROMBA TROMBA – David McKee

 

Sou uma grande fã e admiradora de obras infantis, tenho dois filhos, hoje já crescidos ( 17 e 12 anos ) e sempre que os presenteava com livros, amava ler junto. Até hoje leio e releio livros infantis.

Sempre me perguntam: você recomenda para qual idade? e minha resposta é: para todas as idades! Se a criança for bem pequena, nada mais delicioso do que ler junto, mostrando as ilustrações e despertando sua imaginação e o gosto pela leitura, se já for alfabetizada, a criança pode se deliciar curtindo cada palavrinha, e sendo uma criança “crescida” – meu caso – irá ler e fazer uma interpretação com outros olhos.

 

 

“Tromba Tromba” é uma lúdica história infantil.

O livro fala sobre elefantes pretos e elefantes brancos, os mesmos amavam todos os animais,mas se odiavam. Os elefantes pacifistas de todos os lados (brancos e pretos) vão viver no fundo da selva e os outros se matam mutuamente. Após muito tempo, aparecem os elefantes cinzas. A história é simples e singela, como todos os bons livros, e nos faz pensar nos humanos e seus preconceitos de cor, raça, religião etc. É um livro que nos deixa uma lição: “viva a diferença!”

Li e Recomendo. Uma linda obra que transmite uma grande lição.

 

Site da Editora

http://www.zahar.com.br/pequenazahar

 

 

Carol Steinmuller

Reading:

2

LEITURAS JUNHO 2016

LIVRO 29

Ler Saramago é sempre um desafio, começando pela maneira que ele escreve: sem parágrafos, sem travessão, com pouca pontuação, ou seja, de um fôlego só.

Cansada de ser detestada pela humanidade a morte resolve fazer greve, abandona seu cajado e determina: “ninguém morre” e observa as consequências de tamanha ousadia.

Durante o período da ‘cessação” da morte surgem vários problemas políticos, religiosos, éticos, morais, crise nas funerárias, nas companhias de seguros e até na igreja.

“Se acabasse a morte não poderia haver ressurreição, e não havendo ressurreição, então não teria sentido haver igreja.”

É um desenrolar bastante reflexivo, repleto de discussões morais.

“As pessoas dizem coisas à toa, lançam palavras à aventura e não lhes passa pela cabeça pensar nas consequências.”

Houve um momento da leitura que achei cansativa, abandonei um pouco, depois retornei e consegui finalizar. Gostei bastante da parte que a morte demonstra um lado “humano”, onde deixa transparecer seus sentimentos.

Não achei uma leitura fácil, é densa. Porém ,sempre tenho uma ótima sensação após finalizar livros de Saramago.

LIVRO 30

 

Ainda não li o tão famoso”Livro do Desassossego”, está na minha infindável lista.

Com esta leitura senti o gostinho maravilhoso das belas e encantadoras palavras do grande poeta Fernando Pessoa.

Dispensa comentários e apresentações, Fernando Pessoa é simplesmente INCRÍVEL e GENIAL.

Comprei o livro em Portugal, na casa de Fernando Pessoa, não sei se no Brasil lançaram uma edição. :/

LIVRO 31

 

Quem tem filhos, sobrinhos, primos, ou quem convive com crianças se encanta com os diálogos pra lá de sinceros e engraçados dos pequenos.

Uma mãe – Silvana de Oliveira – resolveu eternizar de uma belíssima maneira as “faladas” de sua peculiar Sofia.

Uma leitura leve, engraçada e encantadora. É possível ler em menos de uma hora, pois cada “falada” nos deixa mais curiosos em saber as próximas respostas da esperta Sofia.

Além das frases o livro possui belíssimas ilustrações, tornando ainda mais prazerosa a leitura.

Ao final ainda traz um espaço convidando os leitores para anotarem as “faladas” de crianças, seja filho, primo, sobrinho, enfim, uma bela maneira de alertar todos para anotarem e eternizarem as pérolas das crianças, que estão cada dia mais incríveis.

Além do ótimo conteúdo, o livro possui três opções de cores de capa, achei muito criativo.

Aprovadíssimo.

www.facebook.com/faladasdesofia

instagram @faladasdesofia

 

LIVRO 32

De imediato fiquei encantada com a belíssima capa, é um trabalho espantosamente belo! Uma sobrecapa com a cor verde água com texturas.

Gostei da forma que os poemas são apresentados: do jeito que foram enviados para impressão, com os erros e rabiscos.

Finalizei com gostinho de quero mais.

Amo poemas e poesias. Uma leitura fácil e muito rápida, li em vinte minutos.

 

LIVRO 33

 

Chocante, forte, comovente, REAL . Se não gosta de leituras com detalhes tristes e fortes não leia.

Eu sou alucinada por livros que narram histórias verídicas, sinto necessidade desse tipo de leitura, pois fico me colocando no lugar da pessoa, da família, e me envolvo com os sentimentos e sofrimentos da vítima.

Trata-se da narração do longo sequestro de duas meninas que passaram 10 (DEZ!) anos em cativeiro. O livro aborda a versão de Amanda e Gina, e descreve detalhes do horror que essas duas jovens sofreram durante longos anos. Tiveram sua juventude roubada, foram maltratadas, sofreram, porém como grande guerreiras SOBREVIVERAM para contar.

Li e adorei. Recomendo

 

E VAMOS LER!

f6691-coruja_lendo

 

 

 

 

 

0

Book do Dia : A Balada de Adam Henry

 

O mais novo livro do britânico Ian McEwan: A Balada de Adam Henry.

A personagem principal é a Juíza Fiona Maye, do Tribunal de Família de Londres, envolta de casos complexos e conflitos entre religião e direito, que, ao mesmo tempo, enfrenta um casamento em declínio.

Assim, Fiona é um personagem que usa sua racionalidade para organizar a vida alheia — mas que não consegue resolver seus próprios conflitos. No caso que dá tema ao livro, entra em conflito a vontade de um hospital de fazer transfusão, e a vontade dele e dos pais no sentido de não autorizar, com base na convicção religiosa (eles são Testemunhas de Jeová). Numa virada da trama, a juíza vai a um quarto de hospital encontrar Adam Henry a fim de clarear seu julgamento sobre o caso. Nesse encontro, ela recita um poema de W. B. Yeats para o jovem, que a partir daquilo começa a questionar suas crenças e depois compõe uma balada — daí o título do romance. O debate no Tribunal, os casos jurídicos e o desenrolar da trama, tornam a leitura do empolgante.

O livro foi aclamado da seguinte forma pelo Washington Post: “Um romance notável de um dos maiores escritores da atualidade”.