2

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

   EDIÇÃO COMEMORATIVA ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

 

A Editora Zahar, em comemoração dos 150 anos do clássico que revolucionou gerações e até hoje encanta crianças, jovens e adultos, lançou uma edição comemorativa de luxo. A lombada é de tecido, a capa é dura, as ilustrações criadas pela renomada e premiada Adriana Pelino são de encher os olhos.

O que achei mais interessante foi a genial ideia de incorporar dois títulos em um só volume.

De um lado “Aventuras de Alice no País das Maravilhas”…

 

e é só virar o livro que o leitor se depara com “Através do Espelho e o Que Alice Encontrou por lá”

Um clássico mundial que adorei reler após tantos anos. Quando era criança li aqueles livrinhos mais resumidos, pequenos, cheios de gravuras. A figura de Alice, junto com seus personagens nada normais,  me levavam para além do mundo da imaginação.

Logo depois, com o lançamento do filme, onde a versão ganhou uma abordagem colorida, encantada,  engraçada,  o que guardei na memória e sempre associava era um mundo louco, colorido, onde tudo poderia acontecer. Tanto que até hoje quando alguém foge um pouco da realidade costuma-se dizer – “Está no mundo de ‘Alice no País das Maravilhas'”.

Agora relendo adentrei no âmago dos personagens, e percebi como muitos trechos, mesmo sendo escritos há 150 anos continuam atuais. Reparei mais nos diálogos e nas mensagens que os personagens transmitem.

O livro relata as aventuras de Alice, que após longas horas sentada na ribanceira ao lado da irmã, começa a ficar entediada, então ela resolve espiar um livro que estava lendo, sem muito interesse, pensando: “de que serve um livro, sem figuras e sem diálogos” . Já analiso o pensamento de Alice, ela estava precisando de aventuras, reais – ou não – para acender o gosto pela leitura (sem figuras).

Logo após passa correndo por ela um Coelho Branco, resmungando “estou atrasado, estou atrasado”. E foi aí que toda aventura iniciou, Alice instigada com os trajes do coelho, começou a persegui-lo.

Durante a aventura ela descobriu a poção mágica de crescimento, que tanto encolhia, como diminuía, encontrou uma lagarta fumadora de narguilé que lhe deu vários conselhos, cantou junto com uma tartaruga e um grifo, conheceu um sábio chapeleiro maluco, se surpreendeu com um gato cheio de artimanhas que desaparecia misteriosamente, desafiou a duquesa tentando argumentar de forma racional e ingênua todos os questionamentos. Enfim, a cada instante ela se depara com situações surreais.

Após vivenciar várias aventuras ela sente saudades de casa e deseja retornar para sua rotina…e só mergulhando nesta colorida, cômica e grande aventura, o leitor irá descobrir o caminho tomado pela pequena grande Alice.

A leitura flui deliciosamente, e ao longo das aventuras extraí várias passagens reflexivas.

Eis os trechos:

“Se cada um cuidasse de sua vida, o mundo giraria bem mais depressa” (pág.69)

“Explicações tomam um tempo medonho” (pág.177)

“Tudo tem uma moral, é questão de saber encontrá-la” (pág.101)

“Oh, é o amor, é o amor que faz o mundo girar. Alguém disse, Alice murmurou, “que ele gira quando cada um trata do que é da sua conta” (pág.103)

“Que isto lhe sirva de lição, nunca perca a sua calma!’ (pág.43)

“Como gostaria que as criaturas não se ofendessem tão facilmente!” (pág.60)

“Devia aprender a não fazer comentários pessoais, disse Alice com alguma severidade, “é muito indelicado.” (pág. 79)

“Se você conhecesse o Tempo tão bem como eu, disse o Chapeleiro, falaria dele com mais respeito” (pág. 81)

Sem dúvida alguma um verdadeiro presente para os fãs de Alice, bem como todas as crianças, jovens e adultos. Uma versão limitada e muito caprichada.

Segue algumas das belas ilustrações do livro:

Site da editora : Editora Zahar

 

Resenha elabora por: Carol 

Instagram @livros_e_leitura

Anúncios
1

LEITURAS JUNHO 2015

Segue resenhas de minhas leituras de Junho de 2015

Vamos lá:

LIVRO 35  (em andamento)

 

Inverno no Mundo é o segundo livro da “Trilogia do Século”.  O tipo de leitura que gosto de absorver lentamente, e paralelamente vou lendo outros livros. Sempre sofro de depressão pós livro quando finalizo os livros de Ken Follett, por isso leio sempre devagar.
A saga das cinco famílias continua, agora encaminhando para a Segunda Guerra Mundial. Os filhos dos personagens que apareceram em Queda de Gigantes já estão crescidos e começam a se destacar na trama. A leitura continua em andamento, estou amando! Lendo vagarosamente…

LIVRO 36

 

 

Se tem um estilo literário que amo é o que envolve filosofia. E nada melhor do que a leitura de um livro que consiga levar o leitor a refletir sobre os mais diversos temas na visão de um grande filósofo.

O que mais gostei no livro é que ele não é complexo, ele consegue realmente transmitir lições de vida de uma maneira acessível, sem muitos floreios. Fiquei fascinada com a leitura, cada página precisa ser absorvida, pensada, refletida. Um livro repleto de trechos magníficos! Grifei muito, anotei, refleti. E o livro não é denso, é uma versão de bolso, ideal para carregar sempre na bolsa, para ler e reler incansavelmente. Recomendo MUITO!

Trechos que grifei:Gif livro

“A capacidade de dar boas risadas pode ser uma das marcas de uma personalidade mentalmente saudável”(Pág 75)

“o primeiro homem a arremessar palavras de insulto ao inimigo em vez de uma lança foi o fundador da civilização. Portanto, palavras são substitutos dos atos, e em certas circunstâncias, únicos substitutos”(Pág 65)

“Vivemos hoje num mundo praticamente sem privacidade. A vida doméstica de muitas pessoas, especialmente celebridades e políticos, não raro é exposta e arquivada para sempre na internet. ” (Pág 43)

“Numa época em que já não se respeitam a privacidade, o sigilo ou segredo, temos muito a aprender com Freud…Da próxima vez que nos apanharmos revelando o segredo de um amigo ou a confidência de um colega, ou que soltarmos uma insinuação nem tão sútil sobre a vida privada de alguém, talvez nos lembremos da importância conferida por Freud à necessidade de respeitar a privacidade. Aquele que ser revela capaz de tato merece status diplomático.” (Pág44)

“Freud observou que muitas vezes não tratamos nossos parceiros como pessoas, mas, de maneira mais primitiva, como objetos”(Pág 48)

 

LIVRO 37

 

 

 

E continuando no ramo da filosofia, agora as lições de vida através do grande Nietzsche. Existe algo mais incrível do que poder compreender o grande Nietzsche? Com esse livro você adentra nas ideias do grande pensador, e se vê analisando várias questões que são vivenciadas diariamente. Eu fiquei encantada com a coleção.

Em muitos trechos consigo elevar a minha alma, de verdade! Amo filosofia, um livro imperdível. Só o que não gostei é que quando finalizei as duas leituras fiquei desejando mais e mais.

O livro transcreve textos de grandes obras do filósofo e logo após esclarece o que ele queria que fosse transmitido.E no final do livro o autor ainda presenteia o leitor com um “Dever De Casa” onde ele faz recomendações para maior aprofundamento nas obras do grande filósofo.

O livro é compacto, portanto fácil de transportar para todo lugar, um livro para você deixar sempre ao alcance. Incrível.

Trechos que grifei:

Gif livro

“O sofrimento não é um sinal de fracasso, na tentativa de sermos a melhor versão de nós mesmos, mas parte necessária do processo de nos tronarmos quem queremos – e devemos – ser” (Pág 24)

“Há uma estrada que ninguém pode percorrer, só você. Não pergunte aonde leva; vá em frente.”(Pág 18)

“Ninguém, senão você mesmo, pode construir a ponte pela qual terá de atravessar o rio da vida”(Pág 18)

 

 

LIVRO 38

 

Uma Porta Para Um Quarto Escuro – Antonio Cestaro

Trata-se de uma coletânea de crônicas em uma áurea poética.  Adoro livros de crônicas, um dos meus estilos literários favoritos.

O acabamento do livro é um capítulo à parte, a capa é muito criativa e bela, capa dura, reproduzindo uma porta, inclusive com as ranhuras,  textura. As páginas são todas preta, achei sensacional também, e as ilustrações coloridas e lindas. Realmente um trabalho incríve

A leitura flui deliciosamente.

Trechos que grifei:Gif livro

“O professor dizia que as palavras têm gosto,
cheiro e sentido justo bem definido e explicava que manga [e uma palavra amarelo-rosada irresistível e que aunado a gente olha ela dá vontade de morder, que saudade é uma palavra viajante que
leva a pessoa para lugares distantes e que a palavra voar é aberta e fluida porque é uma espécia de companheira da palavra liberdade” (Pág 21)

O relógio tem todo o tempo do mundo, vai marcando pacientemente o caminho do sol nascente ao poente e continua incansável vigiando a noite quando tudo adormece…Tem também o poder do relógio, que ordena silencioso o que precisa ser feito e o que pode ser deixado pra depois…”(Pág 27)

 

LIVRO 39

Manuel Bandeira é poesia, é encanto, é sonho.. Um belíssimo livro do neologismo tão famoso criado pelo imortal Manuel Bandeira: TeAdorar

Lindo acabamento, lindas ilustrações.

 

LIVRO 40

Sou fã de livros infantis. Eles conseguem transmitir grandes lições de maneira leve e divertida.

O livro transmite de forma colorida os princípios básicos da ‘Convenção sobre os Direitos da Criança’ adotada em 1989. Com uma linguagem simples o livro ensina sobre respeito, cidadania, educação e diversos outros direitos inerentes as crianças.

Recomendo para todos que possuem um pequeno cidadão em casa, bem como para as escolas, acho um livro muito interessante para ser lido em sala de aula.

Li e amei

LIVRO 41

Logo que peguei o livro me encantei com a capa, qual criança não gosta de um livro bastante colorido, com ilustrações de encher os olhos?
 Além do atrativo visual do livro, que é repleto de animais – girafas, camelos, ovelhas – ele transmite valores.
O livro narra a aventura da pequena ‘Penda”, na qual é destinada uma missão: levar uma tigela de leite para o seu pai. Através do caminho ela encontra dunas, animais, e precisa manter o equilíbrio para não derramar o leite. Na verdade o que ela estava carregando ao atravessar inúmeros obstáculos era algo além do leite.
Fiquei encantada com as ilustrações, impossível não despertar o interesse pela leitura através de tão belo livro.
Recomendo para crianças de todas as idades, bem como para adultos.

 

 

 

E vamos continuar lendo!

Carol  😉

4

É DURO SER CABRA NA ETIOPIA

Um título bem peculiar, uma capa bastante instigante.
A autora lançou uma proposta inusitada na rede, sem ter ideia do tamanho que a coisa ganharia. E a brincadeira foi levada a sério e se transformou no livro.

“Por que não elaborar um livro com material desconhecido? Inventar algo a partir do que não domino ou determino, e lidar com aquilo à medida que fosse se apresentando? Criei um site para receber textos de autores anônimos. Haveria duas limitações: deveriam ter até 1.500 caracteres, podendo menos, mas nunca uma palavra a mais, e precisariam conter comicidade. Ou melhor, eu deveria achar graça; era duro ser esceitor naquele site.” (Maitê Proença)

Cada página é diagramada de uma maneira diferente, com ilustrações. Um livro original, colorido. E no meio dos textos podemos observar anotações da autora.
Já conhecia o lado de Maitê Proença escritora.Li “Uma Vida Inventada” e me encantei com a sensibilidade e como ela domina as palavras e nos envolve na trama.

A proposta do livro ficou muito interessante.No link do Youtube abaixo a escritora explica a origem do nome do livro.

Gif livro

Trechos que grifei:

 “Não se assuste com minha face carrancuda. É que levo minha felicidade muito a sério.”(pág. 253)

“A primeira impressão é a que fica…abandonada na impressora. Quem rascunha aperfeiçoa!” (Pág. 257)

boy-reading-book

Avaliação

  • Público Sugerido: Quem gosta de textos curtos.
  • Pontos Positivos: Diagramação linda, textos interessantes, proposta inusitada.
  • Pontos Negativos: Apenas não recomendo para quem não se sente confortável com textos mais sensuais.
  • Nota (1 a 5): 3,5

Site que deu origem ao livro:

 http://www.maite.com.br/cabra/index.php

Entrevista da escritora para a Revista Cultura

(Na entrevista ela explica a origem do título do livro)

2

O AVESSO DAS COISAS – Aforimos

 

20130924-160916.jpg

 

 

 

“Assim como os antigos moralistas escreviam máximas, deu-me vontade de escrever o que poderia chamar de mínimas, ou seja, alguma coisa que, ajustada às limitações do meu engenho, traduzisse um tipo de experiência vivida, que não chega a alcançar a sabedoria mas que, de qualquer modo, é resultado de viver.

 

 

 

Andei reunindo pedacinhos de papel em que estas anotações vadias foram feitas e ofereço-as ao leitor, sem que pretenda convencê-lo do que penso nem convidá-lo a repensar suas ideias. São palavras que, de modo canhestro, aspiram a enveredar pelo avesso das coisas, admitindo-se que elas tenham um avesso, nem sempre perceptível mas às vezes curioso ou surpreendente.”

 

 

 

(Carlos Drummond de Andrade.)

 

 

 

O livro é bem pequeno, com inúmeros aforismos, segue uma ordem alfabética, divididos em inúmeros temas.Todos curtos, intensos, irônicos e a maioria divertidos. Uma leitura leve, agradável e rápida.

 

 

 

Alguns aforismos retirados do livro:

 

 

 

Ingratidão: A Ingratidão é o imposto cobrado à generosidade.

 

 

 

Inveja: Não há invejosos; há admiradores vesgos

 

 

 

Amor: Há vários motivos para não amar uma pessoa, e um só para amá-la: este prevalece.

 

 

 

Amizade: Como as plantas, a amizade não deve ser muito nem pouco regada.

 

 

 

Vontade: Minha vontade é forte, porém minha disposição de obedecer-lhe é fraca.

 

 

 

Voto: O voto obrigatório estendido ao analfabeto anuncia o analfabetismo obrigatório.

 

 

 

Li e Recomendo